Cotaçao da Bolsa

PSI 20 5.721,630 -56,570 -0.98%     DAX Xetra 5.967,200 +52,360 +0,890%     IBEX 35 8.975,500 +32,000 +0,360%     FTSE 100 5.466,360 +62,980 +1,170%     Dow Jones Industrial Average 11.644,490 +166,360 +1,450%     NASDAQ-100 (DRM) 2.371,940 +45,060 +1,940%     S&P 500 INDEX 1.224,580 +20,920 +1,740%     S&P 500 INDEX 1.224,580 +20,920 +1,740%     MIB 30 0,000 N/A N/A     NIKKEI 225 8.747,960 -75,290 -0.85%     Hang Seng Index 18.501,789 -256,021 -1.36%     DJ Euro Stoxx 50 2.355,480 +22,960 +0,980%     BOVESPA 55.030,449 +429,380 +0,790%     AEX 302,410 +5,020 +1,690%     All Ordinaries Index 4.269,000 -37,000 -0.86%     AMEX 555,949 +16,609 +3,080%     BEL20 2.203,040 +22,810 +1,050%     IPC 34.848,422 +263,672 +0,760%     Refresh a cada 5 minutos...

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Noticias

Saca da soja tem novo recorde em Rondonópolis/MT

Relatório de oferta e demanda do USDA inflou mercado com a certeza da baixa oferta e saca foi a R$ 56,50

MARIANNA PERES

A saca da soja em Rondonópolis (210 quilômetros ao sul de Cuiabá) registrou nessa quinta-feira (10) mais um recorde ao atingir cotação de R$ 56,50. Mesmo com o grão da nova safra (2011/12) já escasso no mercado disponível mato-grossense houve negócios, movimentação que ignorou o patamar histórico de preços e revela que a oleaginosa segue sem limite. A alta que ultrapassou 20 pontos foi influenciada pelo relatório mundial de oferta e demanda, divulgado nessa quinta-feira pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que confirmou a baixa oferta do grão e mostrou que o desabastecimento está muito próximo. Em Mato Grosso, maior produtor nacional de soja, quase não há mais grãos de uma temporada recentemente encerrada, ainda no início de abril.

Os dados anunciados pelo USDA colocam fim às especulações e estimativas que até então inflamavam o mercado para trazer a certeza de estoques baixos neste ano. No cenário mundial, a produção foi reduzida de 240,15 milhões para 236,87 milhões de toneladas e os estoques finais passaram de 55,52 milhões para 53,24 milhões de toneladas.

“Os números são o principal fundamento para o sustento das cotações da soja em patamares elevados e históricos, como em Mato Grosso”, frisa o gestor do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), Daniel Latorraca. Como completa, a partir de agora o mercado tem a certeza de que o cenário – “se mantido” - seguirá altista para a oleaginosa. “A informação não surpreende, mas será determinante para a formação dos preços futuros da oleaginosa e para o planejamento da temporada 2012/13, em Mato Grosso”.

A escassez é reflexo da quebra das safras brasileira, argentina e de uma produção prevista aquém da safra passada nos Estados Unidos. Na contramão, há uma China faminta pela soja e em pela formação de seus estoques, portanto, comprando tudo que encontra. “Tudo isso provoca ainda hoje um sentimento de escassez que faz os negócios andarem e os preços subirem”. Mato Grosso, em função das dificuldades logísticas, acaba contabilizando um terceiro fator positivo para a formação de preços que é a valorização do dólar, performance que vem acompanhando as altas da saca na Bolsa de Chigaco, onde há a formação dos preços.

40% NO FUTURO - O presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado (Aprosoja/MT), Carlos Fávaro, conta que com o avanço do mercado nos últimos meses e com o surgimento de um fundamento concreto (números do UDSA), o produtor está aproveitando para antecipar a relação de troca (sacas para aquisição de insumos) e assim, garantindo sua margem de lucro e minimizando os riscos da atividade. “Em momento como esses o produtor mostra a sua maturidade e vai aproveitando os picos do mercado da forma que mais lhe convém”.

Como destaca Latorraca, os preços recordes do momento são para o grão disponível, volumes quase inexistentes no Estado, mas servem de indicadores para preços no futuro, ou seja, para o pagamento da soja no primeiro trimestre de 2013. Fávaro acredita que com as altas insistentes da cotação e com o fundamento que garante estoques baixos para toda temporada mundial 2011/12, cerca de 40% da estadual 2012/13, estimada em 23 milhões t, estejam vendidas de forma antecipada até o momento, percentual que está sendo apurado pelo Imea. “Qualquer número perto disso é inédito para esta época do ano, em Mato Grosso”. Em abril, quando o Imea fez o último levantamento de comercialização, 24% da produção 2012/13 estavam comprometidos. “Na medida em que a relação de troca se torna mais favorável ao produtor e ele trava negócios”.

Questionado sobre a influência do relatório do USDA no planejamento da nova safra, Fávaro destaca que a estimativa de cobrir 7,5 milhões de hectares já foi feita considerando um cenário de escassez, agora confirmado pelos norte-americanos. “Podemos até ampliar mais alguma coisa, mas cada aumento de área requer uma operação grande de insumos, calcário e isso tudo tem de ser muito bem planejado para acontecer no tempo certo”.

MAIS - De qualquer forma, o presidente da Aprosoja/MT se revela confiante no cenário e acredita em maior pressão a partir do segundo semestre. “O presidente da associação dos produtores de soja da Argentina disse, há menos de 15 dias, que a estimativa de quebra é bem acima do que foi dito até o momento, e que a safra deverá fechar entre 40 e 41 milhões de toneladas, abaixo dos 42,5 milhões projetados ontem pelo USDA e que estão muito aquém da previsão inicial de 45 milhões t”.

Fonte: Diário de Cuiabá

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

8pt; text-decoration: none">