Cotaçao da Bolsa

PSI 20 5.721,630 -56,570 -0.98%     DAX Xetra 5.967,200 +52,360 +0,890%     IBEX 35 8.975,500 +32,000 +0,360%     FTSE 100 5.466,360 +62,980 +1,170%     Dow Jones Industrial Average 11.644,490 +166,360 +1,450%     NASDAQ-100 (DRM) 2.371,940 +45,060 +1,940%     S&P 500 INDEX 1.224,580 +20,920 +1,740%     S&P 500 INDEX 1.224,580 +20,920 +1,740%     MIB 30 0,000 N/A N/A     NIKKEI 225 8.747,960 -75,290 -0.85%     Hang Seng Index 18.501,789 -256,021 -1.36%     DJ Euro Stoxx 50 2.355,480 +22,960 +0,980%     BOVESPA 55.030,449 +429,380 +0,790%     AEX 302,410 +5,020 +1,690%     All Ordinaries Index 4.269,000 -37,000 -0.86%     AMEX 555,949 +16,609 +3,080%     BEL20 2.203,040 +22,810 +1,050%     IPC 34.848,422 +263,672 +0,760%     Refresh a cada 5 minutos...

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Volatilidade tira apelo da alta do dólar

Sem surpresa em um cenário global de forte incerteza econômica, o ouro foi o melhor investimento no mês de novembro, com rendimento de 7,38% no período, acumulando no ano alta de 22,44%. A novidade ficou por conta do segundo colocado, a moeda americana, que rendeu 7,25% no mês — quase a rentabilidade total do ano, de 7,87%.
Segundo especialistas, mesmo com a situação ainda desfavorável na política e atividade nos Estados Unidos, a fuga para o dólar encontra as mesmas justificativas que a alta do ouro, ambos considerados reservas de valor. “Em momentos de crise, é natural uma migração para o dólar ou o ouro”, avalia Luiz Jurandir Simões, consultor financeiro da QTK e professor da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo (FEA-USP).
O educador financeiro Mauro Calil lembra que o dólar não tem tido desempenho positivo estável no ano. “Em novembro, houve uma pressão de demanda, que causou essa valorização. Isso não configura tendência”, afirma Calil. Para ele, o dólar não é uma boa opção de investimento, principalmente por conta desta volatilidade.
A moeda vem de uma sequência de altas e baixas — em outubro, foi a pior aplicação, com desvalorização superior a 9%. Já em setembro, valorizou em torno de 16%. No acumulado de 2011, o dólar registra alta de 7,87% ante o real. “No ano, o resultado do dólar está muito próximo do CDI (10,59%), que é bem melhor para quem não quer perder dinheiro. É um investimento de altas moderadas, mas gradativas”, compara Calil, completando que a rentabilidade é só um dos aspectos para avaliar um investimento. “É preciso pensar ainda na segurança e na liquidez.” Por sua vez, Simões considera que há uma tendência de baixa do dólar difícil de reverter. “A liquidez mundial está muito alta por conta de injeções feitas pelos bancos centrais contra a crise. Isso cria pressão de queda sobre o dólar”, afirma.
O rendimento da poupança no mês marcou 0,56%. “É bom lembrar que no cenário de juro baixo (Selic) a poupança é boa opção, principalmente para quem não tem muito capital e pagaria alta taxa de administração em fundos”, diz Simões. Na lanterninha, o Ibovespa perdeu 2,51% no mês, mas Calil considera que a perspectiva para a bolsa é de valorização — ainda que modesta





Por Brasil Econômico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

8pt; text-decoration: none">