Cotaçao da Bolsa

PSI 20 5.721,630 -56,570 -0.98%     DAX Xetra 5.967,200 +52,360 +0,890%     IBEX 35 8.975,500 +32,000 +0,360%     FTSE 100 5.466,360 +62,980 +1,170%     Dow Jones Industrial Average 11.644,490 +166,360 +1,450%     NASDAQ-100 (DRM) 2.371,940 +45,060 +1,940%     S&P 500 INDEX 1.224,580 +20,920 +1,740%     S&P 500 INDEX 1.224,580 +20,920 +1,740%     MIB 30 0,000 N/A N/A     NIKKEI 225 8.747,960 -75,290 -0.85%     Hang Seng Index 18.501,789 -256,021 -1.36%     DJ Euro Stoxx 50 2.355,480 +22,960 +0,980%     BOVESPA 55.030,449 +429,380 +0,790%     AEX 302,410 +5,020 +1,690%     All Ordinaries Index 4.269,000 -37,000 -0.86%     AMEX 555,949 +16,609 +3,080%     BEL20 2.203,040 +22,810 +1,050%     IPC 34.848,422 +263,672 +0,760%     Refresh a cada 5 minutos...

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Mato Grosso é o sétimo maior exportador nacional de 2011

No acumulado de janeiro e outubro, Estado negociou US$ 161,96 milhões

O agronegócio estadual é destaque também nas exportações das cooperativas. Conforme dados divulgados nessa quinta-feira (17) pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), Mato Grosso é o 7° do ranking nacional ao acumular de janeiro a outubro deste ano receita de US$ 161,96 milhões, cifras que superam em 5,6% os US$ 153,34 milhões contabilizados em igual período do ano passado.

Nos dez meses de 2011, São Paulo foi o estado com maior valor de exportações de cooperativas, com US$ 1,71 bilhão, representando 33,4% do total das exportações deste segmento. Em seguida aparecem: Paraná (US$ 1,69 bilhão, 33%), Minas Gerais (US$ 666,8 milhões, 13%), Rio Grande do Sul (US$ 331,4 milhões, 6,5%) e Santa Catarina (US$ 248,9 milhões, 4,8%). Com a movimentação, Mato Grosso registra participação de 3,15% sobre o total nacional

Em nível nacional, as exportações das cooperativas brasileiras passaram do patamar dos US$ 5 bilhões e alcançaram o valor de US$ 5,14 bilhões. As vendas do setor, no acumulado anual de 2011 já ultrapassaram o total exportado em 2010, US$ 4,41 bilhões.

No Estado, 100% das onze cooperativas listadas pelo Mdic, exportam produtos agropecuários, especialmente algodão e soja, mas existem registros de embarques de cortes suínos, milho, feijão e até plantas medicinais, estas últimas com destino à França. Na relação de destinos estão 46 países, incluindo a França. Desses, 21 importaram o algodão mato-grossense. A cotonicultura tem a maior representação das cooperativas em Mato Grosso e atende em suma, aos mercados asiáticos. Outros dez países importaram produtos do complexo soja, principalmente grãos e farelo. Seis importaram milho, quatro feijão, outros quatro cortes suínos e uma planta medicinal. A maior cooperativa exportadora do Estado é a Cooperativa Agroindustrial de Mato Grosso (Cooamat), localizada em Rondonópolis (210 quilômetros ao sul de Cuiabá). Segundo ranking do Mdic, a cooperativa está entre as cinco maiores do Brasil por está inserida no rol das empresas que movimentaram receita entre US$ 10 milhões a US$ 50 milhões. A segunda maior do Estado e a décima do Brasil, também tem sede em Rondonópolis, é a Cooperativa dos Produtores Rurais da Serra (CooperSerra). A movimentação fica entre US$ 5 a 10 milhões.

EVOLUÇÃO – A movimentação realizada pelas cooperativas mato-grossenses, na comparação entre os dez primeiros meses de 2011 com 2010, revela que houve redução de mais 35% no volume embarcado (quantum físico). A performance anual se manteve positiva devido à valorização das cotações das commodities no mercado internacional, reflexo da pressão de uma demanda aquecida, frente uma oferta inversamente proporcional. Se o volume reduziu, o preço médio de cada quilo exportador obteve alta de 63,7% no período, ao passar de US$ 0,48 para US$ 0,78.

Observando apenas as vendas realizadas em outubro deste ano, Mato Grosso ocupa a quarta colocação do ranking nacional. No mês passado, as cooperativas faturaram US$ 48,54 milhões, alta de 40,5% ante os US$ 34,53 milhões de outubro de 2010. No mês passado, os volumes embarcados ficaram menores frente ao observado em igual mês do ano passado. O volume físico caiu 43,79%, mas foi compensado pela majoração de 150% sobre o preço médio do quilo exportado, que passou de US$ 0,81 para US$ 2,03.

DESTINO – De um total de US$ 9,23 bilhões, exportados pelo Estado até outubro, pouco mais de 50% vieram de operação junto à Ásia e 46,9% à União Européia. A China sozinha é responsável por 32% de todos os embarques realizados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

8pt; text-decoration: none">