Cotaçao da Bolsa

PSI 20 5.721,630 -56,570 -0.98%     DAX Xetra 5.967,200 +52,360 +0,890%     IBEX 35 8.975,500 +32,000 +0,360%     FTSE 100 5.466,360 +62,980 +1,170%     Dow Jones Industrial Average 11.644,490 +166,360 +1,450%     NASDAQ-100 (DRM) 2.371,940 +45,060 +1,940%     S&P 500 INDEX 1.224,580 +20,920 +1,740%     S&P 500 INDEX 1.224,580 +20,920 +1,740%     MIB 30 0,000 N/A N/A     NIKKEI 225 8.747,960 -75,290 -0.85%     Hang Seng Index 18.501,789 -256,021 -1.36%     DJ Euro Stoxx 50 2.355,480 +22,960 +0,980%     BOVESPA 55.030,449 +429,380 +0,790%     AEX 302,410 +5,020 +1,690%     All Ordinaries Index 4.269,000 -37,000 -0.86%     AMEX 555,949 +16,609 +3,080%     BEL20 2.203,040 +22,810 +1,050%     IPC 34.848,422 +263,672 +0,760%     Refresh a cada 5 minutos...

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Exportações de carne do MT avançam em outubro

Vendas de carne bovina mato-grossense para o exterior evoluíram 13,7% em outubro deste ano se comparado a setembro. Crescimento é 13 pontos percentuais superior ao que o país registrou de aumento no mesmo intervalo. No Estado, o embarque de carne in natura passou de 11,9 mil toneladas para 13,7 mil toneladas de um mês para outro.

Boletim semanal do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) aponta que o crescimento nas vendas internacionais foi puxado pela relação comercial com a Venezuela, que passou a ser o principal cliente desde setembro deste ano. Em outubro foram adquiridos pelo país vizinho 3,35 mil toneladas, quase mil toneladas a mais que o volume comprado no 9º mês.

Retorno das vendas de carne à Venezuela coincidiu com começo do embargo russo, que impediu a comercialização de carne para o até então maior cliente. Analista do Imea Carlos Garcia explica que já foi um importante comprador da carne do Estado no passado e que agora volta a comprar. Segundo ele, com esta parceria, os frigoríficos puderam dar vazão às vendas que deixaram de ser feitas com o embargo russo.

Com relação a preço, Garcia explica que a diferença é pouca e não tem cliente preferencial. Empresário do segmento, Milton Belincanta, explica que na verdade a Venezuela tem se mostrado um cliente até melhor do que a Rússia, porque a carne não tem a concorrência do produto indiano. “A Rússia se tornou compradora da Índia, que este ano deverá se tornar o segundo maior produtor de carne no mundo, e como estão mais próximos um do outro, a carne brasileira sai perdendo”.

Desde que o embargo russo foi decretado, em abril, exportações estão em recuperação, e o crescimento das vendas externas entre julho deste ano e outubro variou 68,8%, segundo levantamento do Imea. Caso a Rússia volte a consumir o produto brasileiro, conforme é indicado pelo governo, Carlos Garcia afirma que o Estado tem capacidade para atender a demanda dos 2 países, mas que o reflexo será sentido no preço da carne no mercado interno, que deverá ter alta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

8pt; text-decoration: none">