Cotaçao da Bolsa

PSI 20 5.721,630 -56,570 -0.98%     DAX Xetra 5.967,200 +52,360 +0,890%     IBEX 35 8.975,500 +32,000 +0,360%     FTSE 100 5.466,360 +62,980 +1,170%     Dow Jones Industrial Average 11.644,490 +166,360 +1,450%     NASDAQ-100 (DRM) 2.371,940 +45,060 +1,940%     S&P 500 INDEX 1.224,580 +20,920 +1,740%     S&P 500 INDEX 1.224,580 +20,920 +1,740%     MIB 30 0,000 N/A N/A     NIKKEI 225 8.747,960 -75,290 -0.85%     Hang Seng Index 18.501,789 -256,021 -1.36%     DJ Euro Stoxx 50 2.355,480 +22,960 +0,980%     BOVESPA 55.030,449 +429,380 +0,790%     AEX 302,410 +5,020 +1,690%     All Ordinaries Index 4.269,000 -37,000 -0.86%     AMEX 555,949 +16,609 +3,080%     BEL20 2.203,040 +22,810 +1,050%     IPC 34.848,422 +263,672 +0,760%     Refresh a cada 5 minutos...

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Arroz supera o preço mínimo, mas não mostra fôlego na semana

Cotações superam 4% de valorização no mês, mas não tiveram forças para ir muito além do preço mínimo

As cotações do arroz em casca no Rio Grande do Sul, enfim, superaram o preço mínimo referencial de garantia do governo federal, de R$ 25,80 (congelado há três anos). Mas, não mostraram fôlego para avançar de maneira mais significativa nestes últimos dias de novembro. Ainda assim, a valorização acumula 4,07% este mês. O indicador de preços do arroz em casca Esalq/Bolsa Brasileira de Mercadorias – BM&F Bovespa, fechou esta quarta-feira, 24/11 indicando o preço de referência de R$ 25,84 para a saca de 50 quilos, em casca, para o produto colocado na indústria (58x10), em cidades que são pólos industriais.

Em dólar, pela cotação do dia, o valor da saca corresponde a US$ 13,69, um dos menores dos últimos meses em moeda norte-americana. Isso graças à relação estabelecida pela recuperação do preço no mercado nacional e também à valorização do dólar frente ao real. Na semana os valores oscilaram entre R$ 25,80 e R$ 25,87, fechando na média semanal de R$ 25,83.

Como comentamos na semana que passou, algumas variáveis são determinantes para esta trajetória recente de recuperação dos preços arrozeiros, como os mecanismos de comercialização, o bom volume de exportação e a redução prevista para a próxima safra brasileira e do Uruguai, nosso principal fornecedor. O atraso na safra argentina também traz seus efeitos, em menores proporções. Tudo isso pela previsão de um estoque de passagem menor do que o esperado inicialmente e por um ajustamento entre oferta e demanda no próximo ano (ainda com sobras, mas menores do que o esperado).

A expectativa do setor, no momento, é para o anúncio de medidas do governo para a comercialização da próxima safra. As entidades setoriais, principalmente Federarroz e Farsul, estão negociando intensamente, esta semana, com o governo federal o anúncio dos recursos e de um pacote de medidas, como forma de tranquilizar o mercado.

SAFRA

A safra gaúcha entra na sua reta final, com mais de 90% da ára cultivada, enquanto a uruguaia já foi dada por concluída. Na Argentina o percentual aproxima-se, também dos 90% e em Santa Catarina está praticamente encerrada. A expectativa agora é para o comportamento do clima e a capacidade de aportar a tecnologia de manejo e insumos necessários dos produtores do Mercosul.

MERCADO

A Corretora Mercado, de Porto Alegre, indica preços médios de R$ 26,50 para a saca de arroz em casca de 50 quilos (58x10) em todo o Rio Grande do Sul, com alta de 70 centavos frente à cotação da semana passada. Referência de R$ 51,00 para a saca de 60 quilos de arroz branco, com valorização de R$ 1,00. Estabilidade para os preços dos quebrados de arroz, com manutenção dos preços médios. O canjicão tem referencial em R$ 33,50 e a quirera em R$ 31,50 (ambos em 60 quilos/FOB RS) e o farelo de arroz estável em R$ 270,00 por tonelada/FOB no RS.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

8pt; text-decoration: none">